Detalhes do Artista/Banda

Banda de Pau e Corda

Pelas Ruas do Som

Banda Pau e Corda é um grupo musical brasileiro formado no Recife em 1972, sob a liderança do compositor e estudioso da cultura popular Roberto Andrade, com a proposta de valorizar os ritmos nordestinos, misturando música e poesia. Originalmente, era constituído por Roberto Andrade (bateria), Waltinho (violão), Sérgio (voz), Paulinho (baixo), Netinho (viola) e Beto Johnson (flauta). Esta formação mudou ao longo dos ano, mas como um time de tradição, a banda continuou na ativa. O grupo atuou, inicialmente, no Bar Olho Nu na cidade de Recife, frequentado basicamente por um público universitário. Porém, o trabalho do grupo tornou-se rapidamente conhecido da crítica especializada do Nordeste.
Em 1973, foram para São Paulo, onde gravaram seu primeiro disco, “Vivência” pela RCA, com apresentação, na contracapa, do sociólogo pernambucano Gilberto Freyre. Com produção de Osmar Zan e arranjos da própria banda, o disco contou com composições do próprio grupo como “Vivência”, “Lampião”, “Banco de Feira” e “Vida de Vaqueiro”, de Roberto Andrade e Waltinho, entre outras, além da regravação de “Voltei Recife”, de Luiz Bandeira. Com a repercussão do disco, a Banda de Pau e Corda apresentou no mesmo ano um show com o mesmo nome do disco, com direção de Lúcio Lombardi e textos da poeta Zezé Andrade, mãe de Waltinho, Sérgio e Roberto Andrade, componentes do grupo. O espetáculo estreou no Recife, sendo apresentado posteriormente em todas as capitais do Nordeste. Foi apresentado ainda no Teatro Municipal de Santo André em São Paulo.
Em 1974, lançaram o LP “Redenção”, com diversas composições do grupo como “Flor D’água”, “Crendice” e “Têmpera”, de Waltinho e Roberto Andrade, além de “Mestre mundo”, de Luiz Bandeira e Julinho, entre outras composições. Lançaram em seguida espetáculo com o mesmo nome, com direção de José Pimentel. Fizeram, depois, o show “Alegoria”, uma viagem alegórica através do Nordeste, com textos de grandes poetas nordestinos, como João Cabral de Melo Neto, Carlos Pena Filho e Zé Limeira, e que foi apresentado no Recife, Fortaleza e no circuito universitário do Rio de Janeiro.
Em 1976 lançaram o disco “Assim…Amém”, com a Banda passando a contar com as participações de Netinho e Beto Johnson. Estão presentes nesse trabalho, além de outras, as composições “Areia”, “Me diga, Homem” e “Atrás da Morte”, todas de Waltinho e Sérgio Andrade.
No ano de 1978, lançaram o LP “Arruar” e, em 1979, lançaram “Pelas Ruas do Recife”, novamente com produção de Osmar Zan e com capa de Elifas Andreato, onde o grupo fez uma homenagem à capital pernambucana, interpretando diversas composições refenciadas na chamada “Veneza brasileira”, como “Pelas ruas do Recife”, de Novelli, Marcos e Paulo Sérgio Valle, “Nos cabelos da Rosinha”, de Capiba, “Evocação nº 1” de Nélson Ferreira, “Recife é Linda Demais”, de Archimedes Messina, “Hino dos Batutas de São José”, de João Santiago, e outras composições. Nesse período passou a integrar o grupo Zezinho Franco, no baixo, voz e arranjos.
Entre outros discos, a banda lançou ainda, “O Maior Forró do Mundo”, pela Eldorado e “O Outro Lado da Banda”, pela Polydisc. Em fins dos anos 90, somente os irmãos Andrade, Roberto, Sérgio e Waltinho permaneciam como membros permanentes da banda, que passou a acrescentar músicos contratados para apresentações e gravações.Em dezembro de 2006 a Banda viajou até a Argélia onde se apresentou no Congresso Mundial dos Povos e Culturas dos Desertos, em Argel, como representante do Brasil no evento.

Principais discos de Banda de Pau e Corda:

  • Vivência – RCA Victor – 1973
  • Redenção – RCA Victor – 1974
  • Assim… Amém – RCA Victor – 1976
  • Arruar – RCA Victor – 1978
  • Pelas Ruas do Recife – RCA Victor – 1979
  • Nossa Dança – RCA Victor – 1980
  • Coisa da Gente – RCA Victor – 1982
  • O Maior Forró do Mundo – Eldorado – 1986
  • O Outro Lado da Banda – Plydisc – 1990
  • Cristalina – Polydisc – 1992

Outros Grandes Artistas

Nada Encontrado