Detalhes do Artista/Banda

Sergio Ricardo

Um Senhor Talento

Descendente de família libanesa, Sergio Ricardo nasceu João Lutfi em Marília, interior de São Paulo, em 18 de junho de 1932. Além de cantor e compositor, atua como diretor de cinema, sendo um dos nomes de vanguarda da sétima arte no Brasil.
Em 1940, aos 8 anos, foi matriculado no Conservatório de Música de Marília para estudar piano e teoria musical. No litoral do estado de São Paulo, por volta de 1949, Sergio Ricardo foi locutor da rádio Cultura de São Vicente, mas acabou se mudando pra São Paulo e, depois, para o Rio de Janeiro.
Já no Rio de Janeiro, em 1952, conseguiu emprego como técnico de som e pianista, substituindo Tom Jobim. Familiarizado com a cidade, que foi o berço da bossa nova, passou a fazer parte do o primeiro núcleo de compositores desse movimento musical.
Seu primeiro trabalho como compositor foi registrado pela cantora Maysa, quando esta gravou “Buquê de Isabel”.)
Já sua iniciação como cantor começou no final dos anos 50, lançando discos de 78 rotações. No início dos anos 60 gravou pela RGE seu primeiro disco: “Não Gosto Mais de Mim” (A Bossa Romântica de Sérgio Ricardo).

O músico Sérgio Ricardo faleceu aos 88 anos no dia 23 de julho de 2020 por insuficiência cardíaca provavelmente provocada pela COVID-19, uma doença respiratória causado pelo novo coronavírus que assustou o mundo no ano de 2020.

Sergio Ricardo, gravou os seguintes trabalhos como cantor:

  • 1957 – Cafezinho – RGE – 78
  • 1957 – Vai jangada/Bronzes e cristais – RGE – 78
  • 1958 – Ausência de você/O nosso olhar – Todamérica – 78
  • 1958 – Dançante nº 1 – Todamérica – LP
  • 1958 – Poema azul – Todamérica – 78
  • 1958 – Rosa do mato – RGE – 78
  • 1960 – A bossa romântica de Sérgio Ricardo – Odeon – LP
  • 1961 – Depois do amor – Odeon – LP
  • 1963 – Deus e o diabo na Terra do Sol – Forma – LP
  • 1963 – Um senhor talento – Elenco
  • 1965 – Esse mundo é meu – Forma – LP
  • 1966 – Quando vem dia primeiro/Samba de enredo – Philips – Compacto simples
  • 1967 – A grande música de Sérgio Ricardo – Philips – LP
  • 1967 – Sou pobre, pobre – Philips – Compacto simples
  • 1968 – Aleluia -Che Guevara não morreu -/Antônio das Mortes -Deus e o Diabo na Terra do Soi – – Beverly – Compacto simples
  • 1968 – Dia da Graça/Canto do amor armado – RCA Victor – Compacto simples
  • 1971 – Arrebentação – Equipe – LP
  • 1973 – Mágoas/Adriana – Continental – Compacto simples
  • 1973 – Piri, Fred, Cássio, Franklin e Paulinho de Camafeu com Sergio Ricardo – Continental – LP
  • 1974 – A noite do espantalho – Continental – LP (Com participação de Alceu Valença e Geraldo Azevedo)
  • 1975 – Sergio Ricardo-MPB Espetacular – RCA Victor – LP
  • 1977 – Ponto de partida – Marcus Pereira – Compacto simples
  • 1979 – Do lago à cachoeira – Continental – LP
  • 1980 – Flicts. De Ziraldo e Sergio Ricardo. Quarteto em Cy e MPB-4 – PolyGram – LP
  • 1980 – Sérgio Ricardo e Geraldo Vandré – Continental – LP
  • 1985 – Estória de João-Joana. Cordel musical de Carlos Drummond de Andrade e Sergio Ricardo – Trinca Produções – LP
  • 2000 – Estória de João-Joana – Rádio MEC – CD
  • 2001 – Quando menos se espera – Niterói Discos – CD

Inquieto, o artista participou do III Festival de Música Popular Brasileira transmitido pela TV Record, quando, num momento antológico, foi vaiado pelo público ao cantar “Beto Bom de Bola”, e nervoso, quebrou o violão e atirou-o contra a plateia, fazendo deste momento uma das cenas mais marcantes da MPB.
Incentivado pelo excelente Carlos Lyra, Sergio Ricardo se inteirou de problemas políticos e sociais, o que o levou a compor várias canções retratando esses temas.
Um dos grandes momentos do artista foi a composição da trilha e narração do filme “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, de Glauber Rocha.
Ainda no ramo das trilhas musicais, Sergio compôs trilhas para a minissérie “Zumbi dos Palmares” (1996) e para a novela “Mandacaru” (1997), ambas produzidas pela extinta TV Manchete.
Sergio Ricardo volta à cena artística em 1999 com o musical “Estória de João-Joana”, encenado no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, espetáculo que contou com a participação de Chico Buarque, Elba Ramalho, Alceu Valença, Telma Tavares e Zélia Duncan. Esse elenco revezou-se, na segunda parte do espetáculo, interpretando os maiores sucessos do compositor. O show foi gravado posteriormente nos estúdios da Rádio MEC, para constituir um CD lançado em 2000 pelo selo Rádio MEC.
O último registro de Sergio Ricardo como cantor e compositor é o CD “Quanto Menos se Espera”, lançado em 2001 pela Niterói Discos.

Outros Grandes Artistas