Detalhes do Artista/Banda

Tetê Espíndola

Escrito na Voz

Tetê Espíndola ou Teresinha Maria Miranda Espíndola, nasceu em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, em 11 de março de 1954. Tetê é irmã de Humberto Espíndola, artista plástico de renome internacional, e foi por ele e a mãe Alba Miranda, que Tetê desenvolveu os dons artísticos entre as sessões de teatro que a mãe e Humberto encenavam, e entre as audições de rádio no período vespertino. Porém, a veia artística não vem só daí, pois na família havia primos-trigêmeos que se apresentavam em grandes orquestras, inclusive para Getúlio Vargas. Mas o primeiro a aprender a tocar violão em casa foi o irmão Sérgio, que ensinou Geraldo e este ensinou a Tetê.
Em 1968, Tetê, Geraldo, Celito e Alzira formaram o grupo LuzAzul e passaram a executar concertos na via Cuiabá-Campo Grande. E foi na via-crucis, no meio do caminho, num local muito especial para Tetê chamado Chapada dos Guimarães, ao lado de passarinhos e do Véu da Noiva que Tetê descobriu a sua voz aguda.
Em 1978, após o grupo LuzAzul ter mudado para São Paulo, Tetê lançou seu primeiro disco com a banda, cujo nome a gravadora mudou para Tetê e o Lirio Selvagem. Porém, em 1979, Tetê e o Lirio Selvagem se desfez e a gravadora decidiu lançar Tetê em um disco solo chamado “Piraretã”, lançado em 1980. Em 1981, ao lado de Arrigo Barnabé, Tetê defendeu a valsa “Londrina” (de Arrigo) no MPB Shell, que recebeu o prêmio de melhor arranjo feito por Cláudio Leal. Em 1982, entre muitas experimentações sonoras feitas através de sessões com Stenio Mendes e Theophil Mayer (inclusive exibido pela TV Cultura em um especial), surgiu o disco “Pássaros na Garganta”, aclamado pela crítica, e onde a estética do som é batizada por Arrigo Barnabé de sertanejo lisérgico. Em 1985, Tetê venceu o “Festival dos Festivais” da Rede Globo com a canção “Escrito nas Estrelas”, composição do marido Arnaldo Black com Carlos Rennó, música que bateu todos os recordes de execução e vendagens da cantora, dando-lhe o disco de ouro. Em 1986, como parte do cronograma da gravadora Barclay/BMG Ariola, veio o disco “Gaiola”, onde Tetê e sua banda executaram uma gigantesca turnê pelo Brasil.
Além de cantar e compor, Tetê dubla, atua e fez a trilha sonora do filme “Mônica e a Sereia do Rio”, dirigido por Walter Hugo Khouri. Também fez uma participação no curta “Caramujo-Flor”, de Joel Pizzini, junto com Almir Sater, Aracy Balabanian, Ney Matogrosso e outros artistas de Mato Grosso do Sul. Como representante brasileira, a artista participou do Festival The Concert Voice, em Roma , no ano de 1988. Em 1989, cantou no New Morning (Paris) e no Festival de Jazz da Bélgica. Com uma bolsa da Fundação Vitae, em conjunto com Marta Catunda e Humberto Espíndola, Tetê foi para a Amazônia numa expedição em busca do canto do uirapuru, onde gravaram uma série de sons de pássaros, que depois de catalogado, fez parte das experimentações musicais feitas por Tetê na Amazônia, experiência que gerou o disco “Ouvir/Birds”, em 1991. Em 1998, junto com a irmã Alzira – também cantora – gravou um disco acústico só de canções regionais, intitulado ” Anahí”, sucesso de venda e de público nos concertos que lotaram uma agenda por 2 anos. Em seguida (2001), veio o excelente disco “Vozvoixvoice”, gravado em Paris, dirigido e produzido por Phillipe Kadosch, no qual o conceito aplica-se em fazer da voz, todos os instrumentos (baixo, bateria, guitarra, sopros, etc.). Em 2002, foi a vez de “Fiandeiras do Pantanal”, CD que foi fruto da lei de incentivos à cultura do Mato Grosso do Sul. Em 2004, Tetê participou de dois projetos junto com a família: “Espíndola Canta” e “O que Virou”. Em 2005, lançou o disco “Zencinema” só com canções de Arnaldo Black. Em 2006 e 2007 participou de várias apresentações com a soprano Adélia Issa. Ainda em 2007 lançou o disco “Evaporar”, trabalho completamente produzido no Mato Grosso do Sul, desde a escolha de músicos até a finalização do trabalho.

Principais discos de Tetê Espíndola:

  • Tetê e o Lirio selvagem (Phillips, 1978)
  • Piraretã (Phillips, 1980)
  • Londrina/Canção dos vagalumes (Som Livre, 1981)
  • Pássaros na garganta (Som da gente, 1982)
  • Escrito nas estrelas (Single Barkley/BMG Ariola, 1985)
  • Gaiola (Single Barkley/BMG Ariola, 1986)
  • Ouvir – Birds (LuzAzul, 1991)
  • Só Tetê (Camerati, 1994)
  • Canção do amor (LuzAzul, 1996)
  • Anahi, com Alzira Espíndola (Dabliu, 1999)
  • Vozvoixvoice (LuzAzul, 2001)
  • Fiandeiras do Pantanal, com Raquel Naveira (LuzAzul, 2002)
  • O que virou — Canções de Jerry Espíndola e Marcello Pettengill (LuzAzul, 2003)
  • Espíndola canta (LuzAzul, 2003/2004)
  • Zencinema (LuzAzul, 2005)
  • Evaporar (Tratore/LuzAzul, 2007)
  • Babeleyes (Multicrea/LuzAzul, 2008)
  • eVAporAR (Tratore/LuzAzul, 2007) 1.000
  • Asas do Etéreo + Pássaros na Garganta Remasterizado (Selo SESC,2014) 5.000
  • Outro Lugar (LuzAzul, 2017)

Piraretã

2020

Outros Grandes Artistas

Nada Encontrado