Enter the content which will be displayed in sticky bar

Vinil

- A Longa Vida do Prazer
Vinil
A Longa Vida do Prazer

Vinil  

O Disco de vinil, ou simplesmente Vinil ou ainda Long Play (abreviatura LP) é uma mídia desenvolvida no início da década de 1950 para a reprodução musical, que usa um material plástico de mesmo nome. Trata-se de uma bolacha de material plástico, usualmente de cor preta, que registra informações de áudio, as quais podem ser reproduzidas através de um toca-discos. O disco de vinil possui micro-sulcos ou ranhuras em forma espiralada que conduzem a agulha do toca-discos da borda externa até o centro no sentido horário. Trata-se, na verdade, de uma gravação analógica, mecânica.
Esses sulcos são microscópicos e fazem a agulha vibrar, essa vibração é transformada em sinal elétrico e por fim amplificado e transformado em som audível (música). O vinil é um tipo de plástico muito delicado e qualquer arranhão pode comprometer a qualidade sonora. Os discos precisam constantemente ser limpos e estar sempre livres de poeira, ser guardados sempre na posição vertical e dentro de sua capa e envelope de proteção. A poeira é o pior inimigo do vinil pois funciona como um abrasivo, danificando tanto o disco como a agulha.
O disco de vinil surgiu no ano de 1948, tornando obsoletos os antigos discos de goma-laca de 78 rotações, que até então eram utilizados. Os discos de vinil são mais leves, mais maleáveis e resistentes a choques, quedas e manuseio. Mas são melhores principalmente pela reprodução de um número maior de músicas (ao invés de uma canção por face do disco) e finalmente pela sua excelente qualidade sonora. A partir do final da década de 1980 e início da década de 1990, a invenção dos compact discs (CD) prometeu maior capacidade, durabilidade e clareza sonora, sem chiados, provocando o ocaso (fato não consumado) dos discos de vinil. Eles ficaram obsoletos e desaparecerem quase por completo no fim do Século XX.No Brasil, os LP’s em escala comercial foram comercializados até meados de 2001, mas alguns audiófilos continuaram preferindo o vinil, dizendo ser um meio de armazenamento mais fiel que o CD.

Embora o CD tenha tomado o lugar de destaque do LP , já que teve ampla aceitação devido sua praticidade, seu tamanho reduzido e som livre de ruídos, a propaganda da nova mídia que previa o fim inevitável do vinil foi exagerada e o velho e bom disco de vinil continua na ativa. Entusiastas defendem a superioridade do vinil em relação às mídias digitais em geral (CD, DVD e outros). O principal argumento utilizado é o de que as gravações em meio digital cortam as frequências sonoras mais altas e baixas, eliminando harmônicos, ecos, batidas graves, “naturalidade” e espacialidade do som. No entanto estas justificativas não são tecnicamente infundadas, visto que a faixa dinâmica e resposta do CD não supera em todos os quesitos as do vinil. Especialmente quanto se trata de nuances que nos sistemas digitais são simulados através de técnicas de dithering. Até hoje ainda são fabricados LP’s e toca-discos, que ainda são objetos de relíquia e estima para audiófilos e entusiastas de música em geral. Uma curiosidade: o disco de vinil não precisa de um aparelho de som propriamente para ser tocado. Ele rodando no prato do toca-disco, mesmo sem a amplificação do som, emite o som da música. Para ouvir este detalhe, basta aproximar os ouvidos do disco e se conseguirá ouvir o disco, pois seu princípio de funcionamento se baseia na vibração da agulha no sulco (espiralado, como um velódromo, tendendo ao infinito como uma linha reta) dentro das ranhuras, que nada mais são do que a representação frequencial do áudio em questão.

0 0 voto
Avaliação do Artigo
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

Buscar No Google

0
Adoraria saber seus pensamentos, por favor, comente.x
()
x